segunda-feira, 31 de julho de 2017

A Revolução Russa e a raça humana


Em 1932, Leon Trótsky deu uma palestra sobre a Revolução Russa, na Dinamarca. Um trecho chama a atenção por sua aparente distância em relação ao tema da exposição:


A técnica libertou o homem da tirania dos velhos elementos – a terra, a água, o fogo, o ar – para submetê-los em seguida à sua própria tirania. A atual crise mundial comprova de maneira particularmente trágica como este dominador altivo e audaz da natureza permanece escravo dos poderes cegos de sua própria economia. A tarefa histórica de nossa época consiste em substituir o jogo anárquico do mercado por um plano nacional, e disciplinar as forças de produção, em obrigá-las a operar em harmonia, servindo docilmente às necessidades do homem. Somente sobre esta base social o homem poderá repousar suas costas fatigadas. Não os eleitos, mas todos e todas, tornando-se cidadãos com plenos poderes do domínio do pensamento. No entanto, ainda não é esta a meta do caminho. Não. Isto não é mais que o princípio. O homem se considera o coroamento da criação. Tem para isso, sim, certos direitos. Mas quem se atreve a afirmar que o homem atual seja o último representante, o mais elevado da espécie homo sapiens? Ninguém. Tanto fisicamente quanto espiritualmente, está muito longe da perfeição este aborto biológico, do pensamento enfermo e que não criou nenhum novo equilíbrio orgânico.

A passagem demonstra a dimensão histórica que a Revolução Russa atribuía a suas tarefas. Tratava-se de salvar a raça humana. Não apenas este ou aquele povo ou classe social. Um objetivo logo postergado e que, um século depois, parece cada vez mais distante.

Leia a íntegra da palestra, aqui

Leia também:
1917: revolução socialista ou antiburguesa?