domingo, 11 de dezembro de 2016

Porque deixamos de falar com animais e plantas

Em “Homo Deus”, Yuval Harari diz que as religiões teístas surgiram junto com a agricultura. Nelas, os seres humanos alcançaram um patamar privilegiado em suas relações com o plano divino. As outras espécies passaram a ser desprezadas.

Um exemplo é o episódio bíblico da Arca de Noé. Antes de provocar o grande dilúvio, Noé foi instruído a salvar as várias espécies para proteger os interesses comuns de deuses e seres humanos, afirma Harari.

Baixadas as águas, Noé construiu um altar onde sacrificou certos animais em louvor a Deus. O autor cita a Bíblia: “O Senhor sentiu o aroma agradável e disse em seu coração: Nunca mais vou amaldiçoar o chão por causa dos seres humanos”.

Ou seja, a concepção bíblica considera perfeitamente correto matar animais como punição por crimes cometidos pelo Homo sapiens. Outras religiões teístas, como o budismo e o hinduísmo, também autorizam os seres humanos a controlar e usar outros animais, ainda que com certas restrições.

Os caçadores-coletores não se viam como seres superiores porque raramente tinham consciência do seu impacto sobre o ecossistema. Mas os agricultores são muito menos dependentes em relação aos caprichos de outros animais.

Antes da Revolução Agrícola, afirma Harari, a humanidade falava com animais e plantas. Depois dela, restou apenas o diálogo com os deuses.

Agora, a humanidade estava sozinha num palco vazio, “conversando consigo mesma, negociando com ninguém e adquirindo enormes poderes sem obrigações”. Pelo menos, era o que pensávamos até que os desequilíbrios ecológicos começaram a cobrar a fatura.

Esta visão de Harari está longe de ser consensual, mas vale pelo que nos faz pensar.

Leia também: Nosso pacto com Deus contra o ecossistema

Nenhum comentário:

Postar um comentário