quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Occupy precisa aprender com a classe operária

“Criador do Occupy Wall Street diz que ‘a magia acabou’”, é o título de reportagem de Sofia Fernandes, publicada na Folha, em 09/09. Trata-se de uma entrevista com Kalle Lasn, suposto inspirador da ocupação do Zuccotti Park, no centro de Nova York, em 17/09 de 2011.

O movimento de protesto contra o sistema financeiro despertou grandes esperanças. Mas, em novembro, a polícia dissolveu o acampamento violentamente. Na entrevista, Lasn apresenta duas razões principais para o fim do movimento.

Uma delas seria a violência policial que caiu sobre o movimento não apenas em Nova York, mas em vários outros lugares dos Estados Unidos. Pareciam “ataques coordenados”, diz o entrevistado.

A queixa parece ingênua. Protestos e manifestações que coloquem em risco os interesses dos poderosos serão, cedo ou tarde, atingidos pela repressão estatal. E claro que são ações coordenadas. O Estado está aí para isso.

A outra razão para o desmonte do Occupy seriam reuniões que duravam horas e lidavam com questões como “quem vai responder emails”. Lasn chega a dizer que faltavam lideranças capazes de calar os participantes mais tagarelas.

Bem-vindo ao mundo dos lutadores, Kalle Lasn. Há séculos, os trabalhadores enfrentam problemas parecidos em suas lutas. Repressão violenta e oscilação entre a desorganização espontânea e o autoritarismo burocrático.

A magia de que fala o entrevistado é a bonita descoberta de que “a união faz a força”. Mas trata-se de conquista sob constante ameaça da sociedade hierárquica em que vivemos.

Boas-vindas aos “novos proletários” e seus diplomas. Que se juntem aos veteranos dessa longa guerra de classes. Compartilhem do aprendizado das lutas anticapitalistas.

Leia também: O touro de Wall Street não tem apenas chifres

Um comentário:

  1. Podiscrê, qualquer reuniãozinha de esquerda é um grande aprendizado para testar sua resiliência, hahaha

    ResponderExcluir